O Instituto Hilda Hilst tem como missão preservar a Casa do Sol, sede do instituto, tanto em sua estrutura física, como em seu espírito de servir de porto seguro para a produção cultural inovadora e democrática. Construída por Hilda Hilst em 1965, a Casa do Sol abrigou a autora até o seu falecimento em 2004, e tem 9 mil m², sendo estes compostos por 800 m² de área construída, rodeada por jardim. Local de grande efervescência cultural foi frequentada por pensadores do porte dos escritores, Caio Fernando Abreu, Lygia Fagundes Telles e J.L. Mora Fuentes, Maestro José Antônio de Almeida Prado e os físicos César Lattes e Mário Schenberg.

Fundado em 2005, o IHH vem paulatinamente se estabelecendo como centro produtor e difusor de cultura na cidade de Campinas, São Paulo, onde está sediado, e vem participando ativamente das discussões acerca da política cultural municipal. Tem estabelecido diversas parcerias na área de cultura, entre elas com a Companhia de teatro Pierrô Lunar, de Belo Horizonte (MG); com a editora da revista de arte e cultura Tatuí (PE-SP) Ana Luisa Lima; e com o Ateliê Aberto Produções Contemporâneas, em Campinas (SP), o mais antigo centro de cultura independente da America Latina, além de diversos parceiros e apoiadores como a escritora Lygia Fagundes Telles, a Editora Globo, Unicamp, Academia Paulista de Letras e o Instituto Pensarte. O IHH conta com consultoria jurídica e contábil do escritório de advocacia CQS Advogados.

Atualmente o IHH tem cerca de cinco mil seguidores nas redes sociais e em breve iniciará seu programa educativo de visitas monitoradas à Casa do Sol, além de receber peças teatrais no anfiteatro a ser construído no pátio interno da Casa do Sol. Com isso o IHH procura cada vez mais diversificar e democratizar o acesso a vida e obra de Hilda Hilst, continuando a manter “o espírito da coisa”, que é ser naturalmente uma referência em vanguarda cultural no País.

* OSCIP sediada na recém tombada Casa do Sol em Campinas/SP, o IHH foi fundado em 2005;* Experiência comprovada em diversas parcerias culturais;* Missão: Preservar a Casa do Sol tanto em sua estrutura física, como em seu espírito de servir de porto seguro para a produção cultural inovadora e democrática.

* Visão: Tornar-se referência como catalizador e difusor de produtos culturais inovadores e sustentáveis.* Valores: Fazer cultura é tornar-se protagonista do futuro da sociedade.

Quem somos:

Daniel Fuentes: Desenvolve trabalhos na área de Produção Cultural e audiovisual, com ampla experiência no gerenciamento de projetos, gestão de recursos, busca de parcerias, negociações envolvendo produtos culturais e direitos autorais, e produção cinematográfica. Pós-graduado (MBA) em Bens Culturais: Cultura, Economia e Gestão pela FGV-SP, formou-se em Ciências Sociais pela PUC-SP. Atualmente é presidente do Instituto Hilda Hilst (www.hildahilst.com.br), sendo responsável, entre outros, pela gestão dos direitos autorais da autora. É também fundador da Catatonia Filmes (www.catatoniafilmes.com.br), onde foi Produtor Executivo e Assistente de Direção do longa-metragem JOÃO SEM TERRA, dirigido por Teresa Noll Trindade e financiado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (www.joaosemterraofilme.com.br).

Jurandy Valença: Alagoano, morou e trabalhou em São Paulo entre 1994 e 2012, e atualmente é radicado em Capinas (SP). É artista plástico, curador independente e jornalista. Ex-estudante de Engenharia Química e Jornalismo, vive e trabalha em São Paulo desde 1990. Morou e trabalhou com a escritora e poeta Hilda Hilst entre 1991 e 1994, publicou um livro de poesia em 1992, e trabalhou com moda no extinto Phytoervas Fashion, no qual foi coordenador de produção. Desenvolve trabalhos em fotografia desde 1998. Participou de mais de 55 exposições, entre individuais e coletivas, nas quais recebeu três prêmios aquisições; realizou curadorias e foi tema de Documentário exibido na TV Sesc-Senac. Possui obras em acervos públicos e em coleções particulares. Colabora para as revistas Bamboo, Dasartes e Mag! escrevendo sobre artes, arquitetura e design. Foi coorden ador da Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo, entre 2007 e 2010, e atualmente é redator do Mapa das Artes São Paulo, e diretor de projetos do Instituto Hilda Hilst.

Olga Bilenky: Uma das fundadoras do Instituto Hilda Hilst, é uma das coordenadoras da curadoria de projetos em artes visuais e administra a Casa do Sol. Em 2000 participou com o quadro "Mandala para Hilda" na exposição "Hilda Hilst: 70 Anos", no SESC Pompéia, São Paulo. Em 2006 realizou a exposição "Hilda Hilst: O Vermelho da Vida", no SESC Campinas, e recebeu o "Prêmio TIM de Música 2006" na categoria "Projeto Visual", pelo projeto do CD "Ode descontínua e remota para flauta e oboé. De Ariana para Dionísio", de Hilda Hilst e Zeca Baleiro. Em 2000 ilustrou o livro "Hilda Hilst - Teatro Reunido" (Nankin Editora). Em 1993 "Rútilo Nada" (Pontes Editores) e "Cantares de Perda e Predileção" (Massao Ohno), em 1983.

O IHH desenvolve diversos projetos culturais que fortalecem sua missão institucional de preservar a recém tombada Casa do Sol, tornando-a um eixo gestor e dinamizador de realizações culturais, além de democratizar o acesso a obra de Hilda Hilst. Conheça abaixo alguns desses projetos:

Casa do Sol Viva.

Tombada pelo patrimônio histórico em 2011, a Casa do Sol foi construída por Hilda em 1965 e abrigou a autora até seu falecimento em 2004. Local de grande efervescência cultural foi frequentada por escritores como Caio Fernando Abreu, Lygia Fagundes Telles, J.L. Mora Fuentes, Maestro José Antônio de Almeida Prado e os físicos César Lattes e Mário Schenberg. Atual sede do IHH, a Casa do Sol recebe diversos projetos culturais, entre os quais destacamos as Residências Criativas, que reuniu entre maio e outubro de 2012 onze residentes, entre poetas, escritores, acadêmicos, pesquisadores e tradutores; e o Teatro de Arena Casa do Sol, que abrigará 90 espectadores e apresentará espetáculos teatrais e leituras dramáticas de textos de Hilda Hilst e de outros autores nacionais e estrangeiros.

Parcerias

Tendo claro que tanto a obra de Hilda como a Casa do Sol são fonte inesgotável para a criação de novos produtos culturais, o IHH busca sempre estabelecer parcerias que ampliem seu poder de realização. Atualmente existe em andamento projetos nesses moldes com a Cia. Pierrot Lunar [Belo Horizonte, MG], com a remontagem do espetáculo teatral “As Aves da Noite”, de Hilda Hilst; e com o Ateliê Aberto Produções Contemporâneas[Campinas, SP], o espaço independente de arte contemporânea há mais tempo em atividade no País, com as exposições de artes visuais “Sob a Tua Grande Face – Hilda Hilst por Dez Artistas” e “Poemas aos Homens do Nosso Tempo – Hilda Hilst em Diálogo”; ambos também com a parceria da pesquisadora e curadora independente Ana Luisa Lima, editora da revista de arte e cultura Tatuí.

Como administrador dos direitos autorais de Hilda Hilst, o IHH estabelece parcerias pontuais e presta consultoria em produtos culturais que utilizam a obra de Hilda. Hoje a obra de Hilda ganha cada vez mais eco por todas as artes, destacando:

* 10 novos projetos autorizados/mês e média de 3 novos projetos realizados/mês. Isso demonstra claro crescimento desta demanda, já que em 2005 houve apenas 4 projetos realizados ao longo de todo ano.

* 70% dos projetos realizados com os direitos de Hilda são para Teatro e 30% se espalham por todas as artes.

* Obras completas publicadas pela Ed. Globo, reunidas em 20 títulos que abarcam poesia, prosa, crônicas e teatro.

* CD Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé, parceria Hilda Hilst - Zeca Baleiro, com participação de Zélia Duncan, Maria Bethânia, Ná Ozzetti, Olivia Byington entre outras.

* Longa metragem ficcional em fase de pré-produção: Projeto que nasce da parceria do IHH com a produtora Bianca Villar (Bruna Surfistinha, O Invasor, etc), a atriz Tainá Müller (recém contratada pela TV Globo, atuou em diversos filmes onde vale destacar Tropa de Elite 2 e Cão Sem Dono) e a agente e produtora Ilana Brakarz.

* Longa-metragem documental em produção, com direção de Gabriela Greeb (Mochila do Mascate).

* Biografia a ser lançada pela Ed. Globo e Acervo Pessoal adquirido pela UNICAMP (CEDAE - IEL).

Em 2012 o Instituo Hilda Hilst retomou seu projeto de Residências Artísticas. O objetivo é promover o intercâmbio entre artistas e pesquisadores de diversas áreas do conhecimento e o desenvolvimento da criação artística. Não é condição sine qua non que o objeto de estudo/pesquisa seja a obra e/ou a vida de Hilda Hilst, nem que seja a literatura seu eixo central. O IHH abriga não só escritores, poetas, filósofos, dramaturgos e atores, como também artistas visuais, músicos, estilistas, físicos e matemáticos. O que é fundamental é que haja trocas de ideias, compartilhamento de conhecimentos e experiências.

O IHH acredita que é justamente na confrontação com outras realidades e na experimentação de novos conceitos que a criatividade é potencializada, e possa agir não só como uma ferramenta de desenvolvimento artístico mas também, e principalmente, pessoal.

O IHH abriga por enquanto apenas dois residentes por período. O pré-requisito básico da residência é que o interessado tenha lido ou conheça a obra de Hilda Hilst e que goste de cachorros, também moradores da Casa do Sol. Os períodos de residência podem variar de uma ou duas semanas a até três meses. Estadias mais longas dependem do projeto do residente e tem outras especificidades. A presença do residente no instituto normalmente é ininterrupta. Quando se trata de uma duração mais longa, ele poderá estar autorizado a deixar a residência por um período e depois retornar. Visitas somente quando notificadas com antecedência e com permissão dos administradores da casa.

O residente tem um quarto individual, banheiro ao lado, wi-fi, acesso acompanhado para pesquisa e/ou consulta à biblioteca da casa que soma cerca de 5 mil livros; além de conviver com os moradores e administradores da casa, Olga Bilenky, artista plástica e grande amiga de Hilda Hilst; e Jurandy Valença, artista plástico, jornalista e diretor de projetos do IHH.

Os projetos enviados devem conter trechos e/ou imagens de trabalhos realizados, currículo atualizado e, sobretudo uma proposta de trabalho, com descrição do que o artista pretende desenvolver durante a residência.

Contate-nos para maiores informações e custos.

Para visitar a Casa do Sol, conhecer mais sobre o IHH ou fazer consultas diversas, entre em contato pelo box abaixo descrevendo ao máximo sua demanda.